Ginasticanas fazem a diferença através do esporte

Fundada em julho de 1894, a Sociedade Ginástica Novo Hamburgo é um clube que possibilita aos seus sócios usufruir de diversas atividades esportivas, culturais e sociais. Seja pelas opções de lazer, nas piscinas e quadras de esporte, ou pelas opções culturais, com espetáculos e apresentações, a Ginástica se consolidou como um clube conceituado na região do Vale dos Sinos.

São 117 anos de história, promovendo e trazendo diferentes tipos de esportes ao clube. Durante essa trajetória, muitos atletas foram revelados e em meio a essa fábrica de talentos, eis que surgem elas, as mulheres. Mostrando garra, força e determinação em diversos esportes. Entre os mais procurados pelas ginasticanas estão à natação, voleibol, tênis, handebol, punhobol, judô, patinação e ginástica artística.

A quantidade de mulheres buscando aulas de tênis é surpreendente. Nunca se teve tantas jovens praticando o esporte no clube. A nova piscina térmica, inaugurada em março de 2011, trás ainda mais estrutura para as praticantes da natação. Simone Lanius, 24 anos, começou como atleta, hoje é professora no esporte aquático da ginástica. Ela diz que não há nada mais fascinante do que nadar. “Tudo que eu fiz em minha vida, até a escolha do meu curso em educação física, foi com intuito de trabalhar com o esporte”. Ela não se imagina, nem vê a vida longe das piscinas. Não é diferente com a Atleta Manuela Blumm, que aos 21 anos concilia treinos, competições e a faculdade.

  

Simone Lanius: 24 anos, atleta e professora de natação

A natação é a minha motivação diária, ao mesmo tempo em que eu trabalho é uma satisfação. Me sinto renovada a cada dia na prática desse esporte.

 

  

  

Manuela Blumm:21 anos, estudante e atleta de natação

Sou da geração saúde, é essencial exercitar o corpo e ter qualidade de vida. Eu acho importante, eu enquanto mulher, ser atleta na natação. Assim, incentivo outras mulheres a praticar o esporte.

 

A patinação artística, com toda sua leveza e encanto, atrai muitas mulheres na prática do esporte sobre rodas. A equipe de patinação da Sociedade Ginástica é uma das melhores do Brasil, conquistando títulos inclusive no exterior. Em 2009, Talitha Haas, competiu na Alemanha e se tornou a 3º melhor patinadora do mundo. Pela primeira vez uma atleta feminina conquistava a medalha de bronze em um campeonato mundial. Nesse ano, Talitha Haas e Julia Balthazar estão na corrida pela única vaga feminina para os Jogos Pan Americanos, que acontecem em outubro, no México. Orgulho para o país, orgulho para o clube e para o esporte que cresce e motiva as alunas a quererem mais.  Juliana Dagostin também faz parte dessa equipe e no sétimo semestre do curso de Educação Física diz que não vive sem o esporte. 

  

Juliana Dagostin: 21 anos, estudante, atleta e professora de patinação.

O esporte é a minha vida. Escolhi a patinação porque é um esporte gracioso que exige muita delicadeza e feminilidade.

 

Cada vez mais as mulheres vêm conquistando o espaço nesse mundo. Sissi Lachnit é atleta da seleção brasileira de Punhobol. Competindo no Brasil e no exterior, ela diz que toda vez que conquista uma vitória, é uma forma de mostrar que as mulheres devem ser valorizadas no esporte, tanto quanto os homens. “Não existe essa história de sexo frágil, de que as mulheres não conseguem.” Não ter o tipo físico para determinado esporte, pode ser uma motivação para a descoberta de talento em outro. Foi o que aconteceu com a professora de ginástica artística, Mitzi Morales. Ela passou por esportes como vôlei e por ter estatura baixa, acabou não prosseguindo. “Eu queria investir em um esporte, porque sempre estive inserida no meio, mas a minha altura acabava sendo um problema.” Depois que descobriu a ginástica artística Mitzi investiu, competiu como atleta e hoje trabalha como professora no clube.

  

Sissi Lachnit: 31 anos, atleta da seleção de punhobol, técnica das equipes de base do esporte na ginástica.

O esporte é a minha vida, quero sempre estar envolvida de alguma maneira. Tenho um filho de 7 anos que já está praticando punhobol, se um dia eu não competir mais, vou acompanhar como mãe e torcer.

  

  

  Mitzi Morales: 40 anos, professora de Ginástica Artística

Eu sempre amei esportes. Passei por vários até chegar à Ginástica Olímpica que não me exigia tipo físico.  Tive uma gestação maravilhosa, porque exercitei meu corpo durante toda a minha vida. Acho que não seria a pessoa que eu sou hoje, se não tivesse praticado esportes.

O vôlei e um esporte muito procurado pelas mulheres. Na Sociedade Ginástica, o esporte tem categorias de mirim até adulto. Um dos melhores campeonatos de vôlei acontece no clube, é o Mercosul de Vôlei. Marcela Siegmund, é coordenadora desse esporte dentro da Ginástica e conheceu o mundo esportivo através dos pais. Ela ressalta a importância do incentivo ao esporte já na infância e comenta que quando ela está envolvida com esporte, vive momentos de prazer, melhora o humor e até a autoestima fica melhor.

De uma forma geral o grande desafio é descobrir o que se gosta de fazer. É na identificação com o esporte que surge o prazer pela atividade desempenhada. Por isso, é muito importante experimentar e conhecer outras possibilidades. Como fez Ana Carolina Schneider, ela começou com outros esportes e hoje está praticando tênis.  A jovem de 16 anos, diz que não se encaixava em nenhum outro esporte e foi experimentando até que chegou ao tênis. “Acho que agora eu achei o esporte que realmente gosto.” Assim como Amanda Batchin que depois de fazer atletismo, descobriu no handebol uma forma de fazer amizades e trabalhar em equipe. 

 

Marcela Siegmunnd: 30 anos coord. De vôlei da Ginástica.

O esporte pesou muito na hora de escolher minha carreira, porque eu adoro e me sinto muito feliz realizando atividades esportivas. Melhora, minh autoestima, me faz relaxar.

  

  

  

Ana Carolina Schneider: 16 anos, estudante.

O esporte é importante porque trabalha o corpo e a mente. É uma questão de qualidade de vida.

 

 

  

Amanda Bachtin: 13 anos, estudante

O esporte te ajuda muito, nunca vai prejudicar. Praticar um é se dedicar a ti mesmo.

 

 

Na história, o esporte é mais conquista para as mulheres que, depois de muito tempo puderam participar em diversas modalidades, quebrando preconceitos e mostrando que de sexo frágil não tem nada. Depois de quebrarem o conceito de que no esporte, por exigir força e resistência, apenas homens eram capazes de se dar bem, as mulheres estão com tudo. Na ginástica, 2011 promete ser um ano cheio de títulos e conquistas às atletas ginasticanas.  E você já escolheu qual esporte praticar?

Ginasticanas fazem a diferença através do esporte