Artes Marciais para família toda

As famílias estão cada vez mais tendo suas rotinas diárias corridas, sobrando pouco tempo para a estarem com os filhos e praticar atividade física, que tal aproveitar para fazer as duas coisas em uma só atividade? Sim, isso é possível. A Sociedade Ginástica tem essa opção a você, com as aulas de Judô e Karatê para toda família.

As famílias ginasticanas já aderiram essa ideia. Na casa de Sandro Charão, o Karatê  virou um momento de união da família, o pai e os três filhos estão praticando. Annya Charão de 8 anos, Thayline Charão 13 anos e Rael  Charão de 15 anos começaram a praticar o esporte a convite do pai. “Nunca tinha me interessado em fazer Karatê, mas quando meu pai me convidou achei que seria legal e estou gostando muito. Me ajudou na defesa pessoal, elasticidade e energia”, destacou Thayene.

Sandro diz que praticar o esporte com os filhos é a realização de um sonho: “Estou muito feliz em dividir esse momento com meus filhos, sempre sonhei com isso. Ajudou no convívio da família e estou reaprendendo o Karatê com eles”.

A atividade física por si só é benéfica para o corpo humano, a arte marcial desenvolve diversas características positivas para o praticante, desde infantil  até o adulto. Na casa de Laércio Pereira  o filho Lucas Pereira, 7 anos, faz judô desde março deste ano e foi quem levou o pai para o esporte. “Queria praticar um esporte,  já que ele estava no Judô me interessei em fazer parte desse momento dele. É sempre bom estar acompanhando as atividades dos filhos. E assim temos mais um tempo juntos”, ressaltou Laércio. Já o pequeno Lucas ressalta: “É meu companheiro, um amigo para derrubar”, declara aos risos.

 

O interessante é que  vai além dos benefícios básicos, como melhor circulação sanguínea, alongamento, resistência física, reflexos mais rápidos entre outras coisas.

Claudinei Moretti está fazendo Judô há 4 meses e já se sente melhor e foi ele quem trouxe o filho Guilherme Muller Moretti, 8 anos para o esporte. “É mais um momento que estamos juntos e acredito muito na filosofia do Judô e isso fez com que o Guilherme também participasse”. Guilherme conta que veio para o Judô pelo pai: “ É bom fazer o mesmo esporte que meu pai. Vim por causa dele”.